Ontem estava uma nortada do diabo e como eu fui torturar-me (leia-se: ir ao dentista), à vinda embora vim pela praia.

Ponto a favor: a nortada vinha pelas costas e empurrava-me.
Ponto contra: a nortada empurrava-me DEMASIADO.

Apesar de um por-do-Sol mesmo muito vermelho, o vendaval era tal que era quase impossível uma pessoa parar e olhar para onde quer que fosse sem levar uma chapada.

Não incluído: o constante assobiar do vento e murmurar das dunas. Que nem nos documentários do Saara.


Acabou a levantar tanta areia no ar que fiquei com o cabelo cheio de areiolas pequeninas (isso e enormes bruxedos porque não há penteado que se aguente com semelhante ventania, meus amigos). Apanhei um frio do camandro e o Sol e o céu ficaram vermelhos e as dunas sussurraram-me muitos segredos e eu voei imenso.